Início Artigo Modelando e financiando um empreendimento socioambiental

Modelando e financiando um empreendimento socioambiental

149
0
COMPARTILHAR

nagaua

Imagine você, um fim de semana inteiro, começando na sexta-feira à noite, com pessoas que nunca viu, pensando em empreendimentos que possam melhorar a vida das pessoas. Isso tudo ambientado numa escola técnica pública, com a orientação de pessoas que trabalham com o tema: empreendedores, especialistas e voluntários. E mais, tudo isso dentro de uma das maiores favelas do país, com direito a entrevistas e validações dos negócios e produtos, diretamente com as pessoas da comunidade.

Pois é, esse foi o Startup Weekend (SW) que aconteceu no final de 2015 em São Paulo. Modelo já bem difundido no país, este especialmente tinha o objetivo de melhorar vidas (Startup Weekend to Improve Lives) e foi em Paraisópolis, local que ficou ainda mais famoso depois que já foi tema de novelas das sete.

Estiveram presentes pesquisadores, empresários, jovens da comunidade, colaboradores de grandes empresas, universitários, personalidades de Paraisópolis, enfim, pessoas que usaram a sua criatividade, conhecimento e vontade durante o fim de semana inteiro, para criar negócios de impacto social para melhorar a vida das pessoas locais e, quem sabe, desenhar algo global. Buscar problemas locais que possam ser globais, este era um dos critérios que nós, jurados, debatemos ao longo da avaliação no final da tarde de domingo.

O evento foi organizado por voluntários do SW e patrocinado pelo BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), com o apoio da Central Única das Favelas de São Paulo e do Google, além de vários outros parceiros.

Os grupos eram formados conforme as ideias e, de acordo com o empreendimento, eram misturados. Foram apresentadas ideias ligadas aos problemas da mulher, terceira idade, construção de casas, voluntariado, esporte com integração social, pessoas desaparecidas, patrocínio e financiamentos para projetos entre outros. Todos os embriões de empreendimentos foram apresentados num pitching e sabatinados rapidamente pelos jurados.

Como os próprios organizadores do evento disseram, a ideia é mobilizar e dar um “empurrão” na vontade do empreendedorismo social de cada participante. Pode ser que daí saiam grandes negócios como já saíram de outras Startup Weekends. Com certeza, daquele pessoal que participou uma real transformação aconteceu!

Fiquem atentos aos próximos eventos, via mídias sociais e internet, participem sempre para “modelar” melhor as suas ideias. Recentemente, tive a oportunidade de conhecer outro “celeiro” de empreendedores digitais mais tradicionais que grandes empresas fomentam e patrocinam. O local fica num prédio super moderno na Vila Olímpia, bairro nobre de São Paulo. É o Cubo e, como num coworking, ficam várias empresas ligadas ao mundo digital. Porém o espaço é bem especial, pois possui treinamentos, networking constante, vista de investidores, enfim, um local especial para quem quer crescer. Só entra quem for selecionado, como no caso de um empreendedor que tive a oportunidade de conhecer e encontrar em alguns outros eventos.

Este empreendedor, entre outras criações, desenvolveu uma plataforma que une investidores socioambientais, ONGs, negócios de impacto social, empreendedores culturais, enfim, realiza uma boa conversa entre partes que têm que se conhecer. No prosas.com.br é possível encontrar editais de grandes empresas para leis incentivadas ou não, além do cadastro da sua organização que busca apoio. O Prosas, além de divulgar oportunidades, ainda ajuda empresas financiadoras a organizarem os seus editais, investimentos socioambientais e culturais. A plataforma permite que os projetos sejam monitorados e os empreendedores sociais possam mostrar as atividades já realizadas para o patrocinador/apoiador de uma forma dinâmica e interativa. E o cidadão impactado pelo projeto pode recomendar e acompanhar as ações. Quem sabe seu projeto não encaixa num destes editais?

Pois é, estes são os atuais e futuros empreendedores sustentáveis que estão mudando a realidade do nosso mundo. Aliás, para quem quiser conhecer 50 histórias deste tipo de empreendedores, pode conferir no livro Histórias Inspiradoras, do jornalista e meu amigo Rosenildo Ferreira, que acabou de ser lançado, vale a pena!!

*Marcus Nakagawa é sócio-diretor da iSetor; professor da graduação e do MBA da ESPM; idealizador e presidente do conselho deliberativo da Abraps (Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade); e palestrante sobre sustentabilidade, empreendedorismo e estilo de vida. www.marcusnakagawa.com

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here